“GEOARPAD: Património cultural da Euro-região Galiza-Norte de Portugal: Valorização e Inovação”

Data Inicio: 2017-07-01 | Data Fim: 2019-09-30

Valor: 2728473.15 €

Valor CETRAD: 104862.99 €

Financiador: PROJETO DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO POCTEC 2017-2019; Programa operativo EP - INTERREG V A España Portugal (POCTEP); Convocatoria 1; Identificador 769

Grupo de Investigação: Turismo, Identidades e Património Cultural

Linha de Investigação: Turismo & Desenvolvimento

Coordenador Geral: Prof. Dr. Rubén Lois (Universidade de Santiago de Compostela)

Coordenador CETRAD: Xosé Xerardo Pereiro Pérez

Membros Envolvidos:

Filipa Conceição Silva Furtado Torres Meneres Manso ; Maria Emília Pereira Simões de Abreu ; María Nieves Losada Sánchez ; Maria Olinda Rodrigues Santana ; Ricardo Jorge e Silva Bento ; Santiago Prado Conde ; Veronique Nelly Paul Marie Joukes ; Xosé Xerardo Pereiro Pérez ;

Parceiros:

AMTEGA - Agencia para la Modernización Tecnológica de Galicia ; CCDRN - Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Norte ; Comunidade Intermunicipal do Alto Minho (CIM Alto Minho) ; Direção Geral de Justiça (Junta da Galiza) ; Direção Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB) ; INCIPIT - Instituto de Ciencias del Patrimonio del Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC) – Santiago de Compostela ; Instituto de Estudos do Território (Junta da Galiza) ; Secretaria Geral de Cultura da Junta da Galiza ; Secretaria Geral de Política Linguística (Junta da Galiza) ; Universidade de Santiago de Compostela - USC ; Universidade do Porto ; UTAD - Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro ;

Documento: Não existe


Descrição:

O projeto GEOPARD pretende valorizar o património cultural comum da Galiza e do Norte de Portugal, como um elemento de identificação, coesão social e desenvolvimento estrutural transfronteiriço e transnacional. Estes são alguns dos seus objetivos específicos:

  • Desenvolver um sistema de informação, processos e sistemas de referência digitais para os governos, universidades e outros agentes sociais envolvidos na gestão;
  • Preservar e promover o património cultural, permitindo a sua utilização por setores como o turismo, a investigação ou a educação;
  • Promover a participação social nos processos de gestão e uso do património cultural;
  • Desenvolver e testar estratégias, ferramentas e instrumentos de gestão da valorização dos patrimónios culturais (culturais, naturais, materiais e imateriais), através de experiências piloto como o estudo do léxico comum galego-português ou o Caminho Português Interior de Santiago de Compostela.